FIBROMIALGIA - UM DOS TEMAS DO FEVEREIRO ROXO


A fibromialgia (FM) é uma síndrome (conjunto de sintomas e sinais) crônica que se caracteriza por dor musculoesquelética difusa, cansaço, sono não reparador entre outros sintomas.

Bastante comum, acomete mais as mulheres e pacientes com outras doenças crônicas podem ter a FM associada.

É uma síndrome em que o sistema nervoso central responde de modo anormal aos estímulos periféricos (dor, calor, estímulo elétrico da pele, ruídos, etc.) e isso causa dor amplificada. De uma maneira simplista, o cérebro perde a capacidade de controlar a dor e ela se perpetua, mesmo com a cessação dos estímulos periféricos.

A dor, generalizada e crônica, envolve o tronco e os membros. O paciente se levanta mais cansado do que quando se deitou. Isso leva à indisposição para a realização das tarefas do dia a dia e as profissionais, com cansaço e exaustão fácil.

Também ocorrem outros sintomas, como distúrbios intestinais (intestino irritável), cistite, dor pélvica crônica, cefaleia, disfunção das ATM (articulação têmporo mandibular).

Associam-se, também, distúrbios do humor: depressão, ansiedade, síndrome do pânico, transtornos obsessivos compulsivos.

Desta forma, há um comprometimento do estado de saúde, da capacidade para o trabalho que resulta na menor produtividade, desinteresse pelo lazer, sexo, levando a uma má qualidade de vida.

Não se encontram alterações nos exames laboratoriais e nos de imagem. O diagnóstico se baseia na presença da dor generalizada que já ocorra há pelo menos três meses, e nos outros sintomas.

A dor difusa (generalizada) é essencial para o diagnóstico de pacientes com suspeita de FM.

O tratamento é não farmacológico e farmacológico. Com relação ao primeiro, destaca- se:

- A educação do paciente e dos que estão a sua volta, permitindo conhecer as nuances da doença, entendendo que uma pessoa com bom estado geral, pode realmente estar sentindo todos os sintomas de que se queixa;

- Os exercícios físicos que podem determinar, em médio prazo, o melhor controle dos sintomas, sendo essenciais para o tratamento;

- Os cuidados com os aspectos emocionais devem ser sempre levados em conta, sendo que técnicas psicológicas podem e devem ser aplicadas.

O tratamento farmacológico é diversificado, pois não há até o momento uma medicação específica. São usados antidepressivos, os medicamentos para dor crônica, os analgésicos opióides fracos, os relaxantes musculares de ação central e os indutores do sono.

Vale destacar que, apesar de resultados ainda conflitantes, a acupuntura tem sido indicada. São limitadas as evidências de eficácia da quiropatia e da massagem.

Enfim, o tratamento é multiprofissional, com médicos, farmacêuticos, fisioterapeutas, educadores físicos, enfermeiros, psicólogos, entre outros.

Dr. Sergio Luiz Martin Nardy

Reumatologista

CRM 29.657

Berçário Virtual
Posts em Destaque